Posso proferir que tens sido o meu porto de abrigo. O meu refúgio, quem eu vou buscar forças para aguentar mais um dia. Apenas mais um dia, um atrás do outro. Só tu sabes o quanto estou cansada, cansada de tudo o que tem acontecido à minha volta. Cansada do rumo que se está a tornar a minha vida. Saio de um problema e aparece outro. Acho que cansada define o meu estado de espirito neste momento. Oh tens tido uma paciência enorme. Sei que não é nada fácil o meu silêncio, sei que nem sabes lidar com ele. Sei que também não tem sido fácil para ti ver-me assim. Mas sinceramente já não sei mais o que dizer, muito menos o que fazer. Ultimamente não sei nada. E sempre tive ideias fixas, sempre tive os meus planos bem definidos, sempre soube o que queria ou não para a minha vida. Mas hoje, hoje posso-te dizer que não sei nada, nada de nada. Estou cansada de pensar em resoluções para todos os problemas que tem surgido. Talvez o maior dos problemas seja esse, tentar resolver tudo, mesmo que o problema não seja meu. Arcar com tudo o que tem acontecido à minha volta, carregar o fardo de toda a gente que me é próxima. Pensar em toda a gente, menos em mim. Estou sempre em segundo plano. E estou cansada. Cansada de ter que amparar toda a gente, de tentar resolver tudo à minha volta. Eu também existo, eu também tenho sentimentos. Estou esgotada, fisicamente e psicologicamente nem vale a pena falar sobre isso. Há dias que penso que não merecia nada disto. Há dias que nem sequer me apetece sair da cama, acho que ficava uma semana no meu canto, no meu silêncio, longe de tudo e de todos. Esquecer o mundo nem que fosse apenas por breves segundos. Parar a minha mente, parar os meus pensamentos. Parar de tentar ajudar todo mundo e esquecer-me de tudo. Porra, eu existo e estou aqui. E estou cansada, e dói, dói ter que abdicar de uma coisa que gostamos, só porque pode surgir um problema qualquer, uma despesa qualquer. Precisar disto ou daquilo e adiar, adiar, porque há outras prioridades, outras menos eu. Por isso, sim, tens sido o meu porto de abrigo, sinceramente não sei o que faria sem ti. E só tenho que te pedir desculpa, por esta bagunça toda que tem estado a minha vida, por teres que assistir a isto tudo. Por a minha rejeição constante da tua ajuda. Acredita não é por mal, sempre fui dona de mim mesma e sempre lidei com tudo sozinha. E enquanto tiver forças, enquanto conseguir, será sempre assim. Obrigada mesmo, por me ouvires, por estares ao meu lado, por aguentares tudo isto, por amparares as minhas quedas, por nunca me deixares sozinha, por limpares as minhas lágrimas, por aguentares as minhas mudanças de humor, os meus amuos, a minha exigência em demasia de atenção. Obrigada mesmo por teres entrado na minha vida, por não teres fugido ao perceberes que não iria ser fácil. Obrigada por ficares. Queria dizer-te que daqui para a frente vai ser tudo mais fácil, queria poder-te dizer isso, mas sinceramente não sei. Só sei que enquanto estivermos os dois juntos, tudo será mais fácil, Por isso fica, eu prometo que vou ficar sempre, independentemente de tudo. (T)

Sem comentários: